sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Fast Fashion


O fast fashion é um termo utilizado por grandes magazines que caracteriza o fenômeno de uma produção em série rápida e continua de novidades. A intenção é produzir muito e vender em tempo recorde, diferentes de lojas que prezam a exclusividade, e agregam valor as peças tornando-as mais caras. As redes de fast fashion procuram trazer novidades o tempo todo,  estão sempre lançando novas coleções e mudando as vitrines para atrair o cliente. Com essas mudanças rápidas, o cliente percebe que deixando de comprar uma peça que lhe interessou no dia, há grande possibilidade de não encontra-la mais em outra ocasião. Pois as coleções acabam rapidamente enquanto outras entram. 

Aumentando a velocidade de produção é evidente que a qualidade sofra uma queda, mesmo porque a ideia é fazer com que o cliente não use a peça muitas vezes para que ele possa voltar à loja e fazer mais compras.

A moda sempre foi ao longo da história um diferenciador social. Antigamente, classes sociais mais baixas eram proibidas de usar determinadas peças ou até mesmo cores, fosse por lei ou porque realmente não tinham condições de pagar.  Hoje em dia, as tendências são absorvidas por todas as classes, o que diferencia é a qualidade e o valor agregado à marca consumida. Isto é, o preço. Para as redes de fast fashion o que rege não é exclusividade ou qualidade e sim novidade e preço acessível.

A indústria de moda percebeu a necessidade de recorrer a essa moda rápida, devida a busca constante da sociedade pelo novo. Além disso, a participação dos jovens como consumidores, mudou o mercado de moda. Nos anos 50 e 60, houve uma grande mudança no comportamento dos jovens, capaz de atingir o marcado da moda. Nascia uma geração de formadores de opinião, eram os novos e exigentes consumidores. A moda, principalmente, a partir dos anos 60, teve de se adequar a esse novo público que surgia. Tornou-se então mais ágil, o que culminou na queda da alta-costura e surgimento do prét-à-porter. 

É importante ressaltar que a sociedade busca um mundo cada vez mais rápido, em todos os sentidos. A tecnologia é um meio bastante utilizado para tornar as atividades mais fáceis e rápidas. A internet muito caracteriza essa sociedade “apressada” e graças a ela vivemos uma globalização de informações.  É por isso que os fatos, as notícias e as tendências de moda e comportamento estão ao nosso alcance, cada vez mais rápidos.  O sistema de fast fashion é a resposta da indústria a esse aceleramento de demanda. Grandes redes produzem em larga escala uma mesma peça para o país ou até para o mundo todo, devido a essa moda globalizada, que por meio da internet e televisão, faz com que as pessoas tenham desejos e buscas similares independente das particularidades locais. 

A partir dos anos 80, o consumo já estava globalizado, intensificado e ainda mais veloz. Entretanto, ao mesmo tempo em que surge um consumo generalizado, há uma necessidade de individualidade, e o mercado consumidor passou por segmentações que podemos exemplificar com o surgimento das tribos e consequentemente de produtos personalizados. 
O mercado que não trabalha com o sistema de fast fashion, necessita investir caro em pesquisas de captação das tendências de moda, no fast fashion o foco está na pesquisa de consumo, ou seja, observa-se o que as pessoas estão realmente usando.
A Zara é um exemplo de rede que mantém grande sucesso devido ao sistema de fast fashion. A empresa atende a um público diversificado, preocupa com a estética da roupa e com o preço baixo. Investe em  lançamento de produtos diferenciados, que, mesmo sendo em larga escala, a distribuição de sua produção consegue passar uma ideia de semi-exclusividade para os clientes. A marca procura identificar as tendências de moda e consumo para então produzir e distribuir em tempo recorde. Recentemente, a Zara do Brasil foi acusada de usar mão de obra escrava para cumprir com essa alta velocidade de produção. Provavelmente, isso deve acontecer em outras redes de fast fashion que não passaram pela fiscalização. Afinal, para que uma produção em larga escala corra de forma tão rápida é provável que haja uma pressão muito grande em torno de muitos funcionários, e salários baixos para diminuição de gastos.



sábado, 8 de outubro de 2011

Ilustração de moda





O livro Fashion Illustration para Designers por Kathryn Hagen é acompanhado por um DVD com varias tecnicas de illustraçao. Ms. Hagen é uma instrutora de ilustração de moda no Otis College of art and Design, em Los Angeles, California. 
Ms. Hagen é um mestre em misturar mídias para obter resultados realistas e muito bonitos. Suas ferramentas incluem: Marcadores Copic , lápis de cor  e marcadores Prismacolorcanetas pincel Tombo, guache, canetas escrita fina e canetas Milky Gel. Mesmo se você não estuda ilustraçao de moda, por si só, este livro é um excelente recurso para melhorar suas habilidades com desenho e tornar real uma figura vestida. 

Convite!




Mais informações http://blogdesigndemoda.cesjf.br/

domingo, 28 de agosto de 2011

Color Block

Combine cores vibrantes em uma mesma produção. (SEM parecer um integrante do Restart de preferência!)


domingo, 14 de agosto de 2011

Paaaaaaaaaaaaaaaaaiiiêê...



....já acabei...vem me limpaaaar!!!
hahahaha...dê um beijo e um abraço (e um presente se possível) naquele que já foi obrigado a escutar essa frase! 

Caiu na rede!!!


Se antes tínhamos de esperar a revista chegar às bancas, o programa da TV começar ou o rádio noticiar, hoje em dia basta entrar na internet e procurar especificamente por aquilo que te interessa. Perdeu o último capítulo da novela? Amanhã já está no youtube.  Não conseguiu reparar em todos os vestidos das celebridades na entrega do oscar? Eles estarão nos blogs e sites, no dia seguinte, recebendo elogios e criticas, de especialistas ou não. A explosão dos blogs e das redes socias estão divulgando cada vez mais rápido tudo que acontece no mundo. E agora qualquer assunto que cai na rede, a repercussão é muito mais rápida e muito mais comentada. 

No Twitter, por exemplo, qualquer deslize ou fofoca vai parar no Trends, que são os assuntos mais comentados do momento. Na posse de Dilma Rousseff, quem estava no twitter sabe que não foi bem o nome da querida presidente do Brasil que se destacou, e sim o da pessoa menos significativa ao redor, Marcela Temer, mulher do vice-presidente Michel Temer , teve seus 15 segundos de fama, por se destacar mais do que a própria presidente.

Sempre rotulada como ‘santinha’, Sandy Lima, recentemente deixou escapar a infeliz frase “é possível ter prazer anal”, em uma entrevista para a revista Playboy. Na hora de editar a matéria a frase ficou em destaque e, colocada fora do contexto, claro que chamou mais atenção, e não deu outra, a repercussão foi tanta que lá se foi para o Trends #Sandyfazanal.

Mas aonde quero chegar, é que com o avanço da internet , blogs e redes sociais estão sendo utilizados cada vez mais como uma nova mídia. Seja para trazer fofocas, para falar de assuntos mais interessantes ou até mesmo para fazer da sua vida um livro aberto.
Muitos blogs são de pessoas comuns, que escrevem pequenos textos chamados de posts, sobre o assunto que dominam mais, ou sobre a própria vida. Ao procurar por algum assunto nos sites de busca, acabamos caindo em algum desses blogs, desconhecidos ou não.

Quem leva o assunto a sério consegue ganhar bastante dinheiro com propagandas e até se tornar uma espécie de ‘celebridade da rede’. Camila Coutinho, começou seu blog garotasestupidas.com , como uma brincadeira com as amigas, elas gostavam de comentar sobre as celebridades, e a princípio faziam isso por e-mail, enviando fotos e fofocando, Até que perdeu a graça e elas resolveram criar o blog, dois meses depois as amigas pararam de postar, e o blog ficou sendo só de Camila.  Em cinco anos, garotas estúpidas se tornou um blog de grande acesso, e o nome de Camila foi sendo cada vez mais repercutido. Hoje ela faz propagandas de várias marcas, e é convidada para grandes eventos de moda. Do SPFW,  por exemplo, ela  posta comentários sobre o desfile no twitter  em tempo real. Afinal blogueira que se preze tem que estar sempre com a internet em mãos, literalmente!
  
O que chama atenção nos blogs é a linguagem diferenciada. O uso de gírias, trocadilhos, piadinhas  e a forma como os blogueiros expressam sua própria opinião, criam uma relação de proximidade com o leitor.  Tanto que há um espaço para o mesmo fazer comentários a respeito, elogiar, criticar, curtir, twittar e por ai vai.
A palavra mídia vem do latim “media” , que significa meios. E a mídia nada mais é do que um recurso para transmitir informações e desenvolver comunicação. Os blogs são de fácil acesso, não custam nada e não exigem nada além do seu esforço e sua criatividade para atrair o público que lhe interessa, divulgando o assunto que lhe convém!

domingo, 31 de julho de 2011

Barbie Alta Costura

Essa é a terceira roupa de Barbie que eu estou fazendo, e o tema é alta costura. Escolher uma roupa de alta costura e reproduzir em tamanho mini para a Barbie. Já fiz uma Barbie noiva e uma de vestido de gala. 
Escolhi esse look Chanel Haute Couture  (primavera/verão 2008), depois de duas tentativas frustradas, escolhendo Dior e Elie Saab...


Está sendo a o trabalho mais difícil que eu já fiz com Barbie e até agora, pronto mesmo só a meia calça. (!)



Parece que ela tá quase pronta, mas na verdade tem muita coisa dando errado! Hoje eu acordei com vontade de tacar fogo nessa boneca, mas eu me segurei e eu juro que até 2014 ela tá pronta!





Dei umas alfinetas nela pra aliviar meu estresse! =)

Queria mandar um recado para todos os fabricantes de roupinha de Barbie: Parabéns, vocês são incríveis! Isso é muito difícil...








segunda-feira, 25 de julho de 2011

Pré - História

 Assisti no meu curso técnico de moda o filme "A Guerra do Fogo" , de 1981,  produzido por Jean-Jacques Annaud. 



 O filme retrata um período na pré-história e dois grupos de hominídeos. O primeiro, que quase não se diferencia dos macacos por não ter fala e se comunicar através de gestos e grunhidos, é pouco evoluído e acha que o fogo é algo sobrenatural por não dominarem ainda a técnica de produzi-lo; o outro grupo é mais evoluído e tem uma comunicação e hábitos mais complexos, como a habilidade de fazer o fogo. Esses dois grupos entram em contato quando o fogo da primeira tribo é apagado em uma guerra com uma tribo hominídeos mais primitivos, que disputam pela posse do fogo e do território. Noah, Gaw e Amoukar (membros do primeiro grupo) são destacados então para uma jornada para trazer uma nova chama acesa para a tribo. Nesse caminho deparam -se com um grupo de canibais, e resgatam de lá Ika, uma mulher pertecente ao grupo mais evoluído. Do contato com essa mulher, os três caçadores do fogo aprendem muitas coisas novas, já que ela domina um idioma muito mais elaborado que o deles, assim como domina também a técnica de produção do fogo. Levados por diversas circunstâncias a um encontro com a tribo de Ika, percebem que há uma maneira diferente de viver; observam as diferentes formas de linguagem, o sorriso, a construções de cabanas, pintura corporais, o uso de novas ferramentas, e mesmo um modo diferente de reprodução.

Como trabalho escrito, fiz um pequeno texto sobre a indumentária da época. 

O filme concentra-se em duas tribos diferentes de hominídeos, a tribo menos evoluída cobre mais o corpo, com destroços de pele de animais, da forma que a pele era arrancada do animal, era colocada em volta do corpo, presa por cipó ou até mesmo pela tripa do animal, que faziam o papel da linha. Um dente de mamute poderia ser usado com uma espécie de agulha primitiva.      Não havia molde ou forma definida para essas vestimentas. Nos pulsos e tornozelos pode se ver também um pedaço de pele enrolado, como se fosse uma pulseira. Normalmente os pêlos dessa pele usada pelo homem pré-histórico, eram voltados pro corpo, diferente de como usamos hoje em dia. 
Os braços aparecem de fora, alguns membros da tribo parecem usar maior quantidade de peles, aparecem com mais volume nos ombros. Outros usam alguns acessórios, como dentes de animais presos em algumas partes do corpo. Um deles aparece com um dente perfurando a narina, como um pircing. Os cabelos são compridos e crespos, alguns com barba outros não.
Os seres da tribo mais evoluída, pintam os corpos de cinza e preto. Em volta dos olhos o preto lembra a maquiagem usada pela banda Kiss. 
Quanto à indumentária, usavam espécies de tangas. Os cabelos pareciam mais elaborados, e alguns acessórios eram usados na cabeça e no pescoço. Até mesmo uma espécie de calçado já existia, como uma sandália de couro envolta no pé. Essa tribo também possuía instrumentos de guerra e artefatos (como um jarro de água) mais evoluídos. 


 Na prática o trabalho era confeccionar uma peça com pele sintética de animal.

Minha bolsa pre-histórica tá quase pronta...só falta encontrar uma alça legal...eu podia encontrar uma de ossinhos de pedrita, mas só o dentinho de tigre foi uma luta pra achar!



Ahh, e olha só quem eu achei de Amy!

PS: Esqueci de posta essa foto ontem! hahaha

domingo, 24 de julho de 2011

"You know I'm no Good"


Entrando para o clube dos 27, Amy Winehouse deixa não só uma carreira brilhante , interrompida pelas drogas, mas também uma grande influência no mundo da moda. O cabelo e a maquiagem, marcas registradas da cantora, já foram reproduzidos em desfiles e editoriais. O gosto pelas coisas antigas, pela década de 60, as tatuagens, os vestidos curtos de cintura marcada e decote pin-up definiam o estilo de Amy, a cantora  inglesa branca de voz negra. 




 Em fevereiro de 2008, a Top Isabeli Fontana encarnou Amy para um editorial na revista Vogue





Chanel 2008



A notícia divulgada ontem (23/07/2011), foi triste mas não surpreendente, a mais ou menos três anos que o talento de Amy vem sendo ofuscado pelos escândalos e envolvimentos com drogas e bebidas. Recentemente, a cantora cancelou sua turnê, vaiada pelos fãs por não conseguir uma boa apresentação nos palcos. 
Em janeiro desse ano, ela se apresentou no Brasil, sua apresentação não foi das melhores, mas também não foi das piores como no Rock in Rio Lisboa, em 2008, onde ela cantou embriagada e com a voz rouca, um fiasco. 
É uma pena saber que Amy Winehouse morreu tão cedo, mas é pior ainda saber que ela já não era a mesma desde que álcool, drogas e um amor compulsivo e mal resolvido consumiram seu talento. Eu prefiro ficar só com a parte boa de seu sucesso!

quarta-feira, 13 de julho de 2011

It's only Rock n'Roll but I like it

Em homenagem ao dia de hoje
Um dos estilos mais adotados por jovens do mundo todo





Num passado não tão distante, a Trinton mergulhou no universo do rock e do punk para criar a coleção verão 2009, que apesar dessa quantidade louca de borboleta, tá a cara do rock n'roll!
Estampas de notas musicais pra todos os lados, estampas referentes a bandas famosas , couro (claro, não podia faltar), jeans, xadrez, coletes e jaquetas(sem mangas) , muitas taxas,  marquiagem e cabelo à la Amy Winehouse, tudo isso ao som de Queen!



Estampa Mistifs


Edição Vogue de Paris (maio 2010)
Raquel Zimmermann
rock n'roll com um toque masculino



Rock Glam!
o rock chic (porque até 'patricinha' pode)


Kate Moss, jaqueta perfecto


(e bota 'patricinha' nisso)




 Capas






O que vestir HOJE?




Acessórios 

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Vá de Tênis

Já dizia Coco Chanel "A woman with good shoes is never ugly". Sim, os sapatos podem salvar(ou acabar) com a sua produção. Mas se engana quem acha que só os saltos tem esse poder. Um belo par de tênis também pode deixar sua produção ultra moderninha!(E o seu querido pé agradece!!!)



Já conheci muita gente que tem preconceito com All Star. Gente, All Star não é tênis de emo, nem de pessoas 'largadas'...basta saber usar...até o de botinha cai bem em muitas produções...




Sabendo usar, fica bom até com vestido


Dá até pra ir no MTV Movie Awards



Enfim, seu tênis pode fazer parte de várias produções moderninhas!




Sem contar que tá cheio de tênis legal, com diferentes estampas pra gente se apaixonar e colecionar todos! 


Snoop

Beatles

 Simpsons 

Quadrinhos

Caveiras


Zebra
Liberty


Curtir (Y) ?